AML Consulting - Receita livre

Receita livre


A associação dos auditores da Receita conclui um estudo para, semana que vem, exigir que ela pare de fazer “alertas” quando Pessoas Expostas Politicamente (PEPs), como políticos, altos funcionários de estatais e seus familiares, são investigados por fiscais. Quando algum dos investigadores acessa o CPF dessas pessoas, os chefes são alertados e podem exigir explicações do motivo da análise. Se não se convencerem, o servidor pode até responder a um processo. O presidente da Unafisco, Kléber Cabral,diz que o grupo de PEPs foi criado para aumentar a vigilância sobre eles e não para protegê-los. Em 2015, a Receita acessou o CPF do ex-presidente Lula para iniciar investigações sobre ele no Paraná – motivo para um alerta ser enviado aos superiores.


Livre 2


Caso a Receita não aceite os pedidos dos auditores, a Unafisco pretende ir ao Grupo de Ação Financeira Internacional (Gafi),
da ONU, que estabelece regras para lavagem de dinheiro. “Se o Brasil não dá prioridade para fiscalizar e ainda cria monitoramento sobre auditores, que confiabilidade outros países terão?”, questionou Cabral à ISTOÉ.


Livre 3


No Brasil, a lista oficial de expostos politicamente é de seis mil pessoas. Apesar disso, as regras do Gafi, órgão internacional, são bem amplas, incluem mais autoridades e ex-agentes públicos. Pelos critérios brasileiros, quem deixa o cargo há mais de cinco anos fica de fora, como os ex-presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso.


Rápidas


* Com base nos critérios do Gafi, a consultoria AML Consulting montou um banco de dados de pessoas e empresas envolvidas em crimes patrimoniais, como corrupção, roubo, fraude e sequestro. De 714 mil perfis do banco de dados, localizou 307 mil indivíduos e empresas suspeitas.


* Entre os “enrolados”, havia 29 mil Pessoas Expostas Politicamente (PEPs). Eram 10.523 atuais e ex-autoridades e dirigentes de estatais. Havia ainda 18.616 familiares, ascendentes, amigos, secretárias e empresas.



Istoé
http://istoe.com.br/receita-livre/